quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Odeio pobre...

Não há pachorra....
É roupa com borbotos, calçado roto, tshirts gastas, restos para o almoço, bolachas na mochila porque o dinheiro está contado.
Reciclagem de bens é uma constante, pesquisar prendas para os miúdos no OLX.
Estar sempre a trabalhar e não poder estar um serão em família, e mesmo assim não ter dinheiro para nada. 
Passei o ano a contar trocos, eu que até ganho bem, mas o drama de um freelancer passa pela carga fiscal, Iva, Irs e ainda a maldita Segurança Social. 
Estou farto, vejo o dinheiro a entrar e a sair logo de imediato, não me posso de dar ao luxo de recusar qualquer trabalho que seja, muito pelo contrario, ainda tenho de pedinchar por mais. Precisava de uma lufada de ar fresco, um balão de oxigénio.  
Incrível,fazer as contas e tentar perceber para onde o dinheiro foi... A verdade é que ele vai, e eu cada vez mais odeio pobre. Não pela falta de bens,mas pela falta de tranquilidade e estabilidade,pela falta de tempo para estar com a família.
Este fim de semana ate gostava de ir jogar a bola, mas acho que não vai dar,também queria ir ver o jogo ao estádio, mas também não dá. Não que o bilhete seja caro, mas porque é a única oportunidade que tenho de ter um serão com os cachopos, e entre os cachopos e o que quer que seja eles são sempre a prioridade. Já chega os dias que tenho de estar fora por obrigação.

Um dia será diferente...